25/01/2020 ~ 10:17

Promotoria abre acusação em julgamento de Harvey Weinstein com descrição de ataques


Dia foi marcado pelas declarações de abertura da acusação e da defesa do poderoso produtor de cinema, acusado de estupro e de abuso sexual. Harvey Weinstein chega a seu julgamento em Nova York
Spencer Platt/Getty Images North America/AFP
A Promotoria abriu sua acusação no julgamento de Harvey Weinstein em Nova York, nesta quarta-feira (22), com descrições de alguns de seus supostos ataques sexuais contra mulheres desde os anos 1990.
Segundo os promotores, o produtor de cinema é um predador sexual “especialista” que abusou de sua influência como todo-poderoso de Hollywood para abusar de atrizes, modelos e funcionárias.
A defesa insistiu que, após os supostos crimes, Weinstein manteve uma relação de amizade com suas acusadoras.
O empresário sacudia a cabeça de um lado para o outro e fazia anotações para seus advogados enquanto a promotora de Nova York, Meghan Hast, apresentava-o ao júri como um valentão de 136 kg que estuprou, humilhou e manipulou várias mulheres, deixando-as traumatizadas por anos.
“Vai ficar claro, neste julgamento, que o acusado sabia que estava abusando de pessoas indefesas e inocentes”, disse Hast ao júri, destacando que muitas de suas vítimas cresceram em lares problemáticos.
“Não sabiam que estavam caindo em sua armadilha, sob falsas pretensões. Achavam que tinham conseguido um grande papel. (Weinstein) Era a velhinha na casa de doces que atrai as crianças”, acrescentou.
A promotora disse que Weinstein deixou sua acusadora, Mimi Haleyi, uma ex-assistente de produção, jogada no chão “imóvel, como um peixe morto”, após atacá-la com violência em seu apartamento de Nova York em julho de 2006.
Ela acusou Weinstein de tratar a atriz Jessica Mann, que garante ter sido estuprada pelo acusado em um quarto de hotel em Nova York em março de 2013, como “uma boneca de pano”.
Weinstein, de 67 anos, pai de cinco filhos e divorciado duas vezes, pode ser condenado a uma pena máxima de prisão perpétua se for considerado culpado de abuso sexual predatório contra Haleyi e Mann.
O caso é emblemático para o movimento #MeToo, e começa a ser julgado dois anos depois do surgimento do escândalo que incriminou-o e derrubou dezenas de homens poderosos acusados de abusos sexuais.
Desde 2017 mais de 80 mulheres, incluindo muitas atrizes famosas, acusaram Weinstein de conduta sexual inapropriada.
Weinstein, que reformulou a cena do cinema independente com filmes como “O Paciente Inglês” e “Shakespeare Apaixonado”, nega as acusações e afirma que os encontros sexuais que teve foram consensuais.
A defesa
O advogado de defesa, Demon Cheronis, disse que as alegações iniciais da Promotoria eram falsas e que eles têm centenas de e-mails entre Jessica Mann e o acusado provando que mantinham “uma relação carinhosa”.
Ele disse que Mann descreveu Weinstein como “seu namorado ocasional” em 2014, um ano após o suposto estupro. Também mostrou que a atriz mandou uma mensagem a Weinstein com a frase “te amo, grandão!”, e outra que diz “obrigada por seu apoio incondicional e sua amabilidade”.
De acordo com Cheronis, as acusadoras de Weinstein se deram bem com ele até o movimento #MeToo ganhar força, em 2017, e o produtor se tornar uma persona non grata.
Ambas partes buscam convencer o júri, composto por cinco mulheres e sete homens, que devem chegar a um veredito unânime – se o acusado é culpado ou inocente das acusações.
Após uma seleção tensa, que durou duas semanas, a defesa conseguiu manter fora do júri jovens brancas – consideradas mais favoráveis ao movimento #MeToo.
Não se espera que Weinstein deponha em seu processo, que deve terminar por volta de 6 de março.
O produtor chegou à corte caminhando com dificuldade, mas sem o andador que utilizou nas últimas audiências após sua recente cirurgia nas costas.

Fonte: G1

Aos 50 anos, Armandinho apronta álbum gravado entre Rio e Los Angeles


Cantor de pop reggae lança o single ‘Minha mina’ com amostra do disco autoral de músicas inéditas. Aos 50 anos de vida, festejados nesta quarta-feira, 22 de janeiro, Armando Antônio Silveira insiste na juventude. Armandinho – como o cantor e compositor gaúcho é conhecido no universo brasileiro do pop reggae – aproveita a data do 50º aniversário para lançar música inédita, Minha mina.
Composição revelada dois meses após o single Amor vem cá, apresentado em novembro de 2019, Minha mina integra o repertório do álbum autoral de músicas inéditas que Armandinho irá lançar neste ano de 2020.
O álbum marca a conexão do artista com o produtor carioca Rafael Ramos. Sob a batuta de Rafael, Armadinho gravou quatro músicas na cidade do Rio de Janeiro (RJ). Formatada com músicos como Eduardo Lyra e Marcelo Lobato, Minha mina é uma delas.
As demais faixas do álbum foram gravadas em Los Angeles (EUA), onde o cantor de Porto Alegre (RS) se reuniu com time de músicos que inclui o lendário Carlton “Santa” Davis, baterista jamaicano que tocou com ícones mundiais do reggae como Bob Marley (1945 – 1971) e Peter Tosh (1944 – 1987).
O último álbum de músicas inéditas de Armandinho, Sol loiro (2013), foi lançado há sete anos.
Capa do single ‘Minha mina’, de Armadinho
Reprodução

Fonte: G1

‘Project: Mara’, game sobre ‘terror mental’, é o novo game da Ninja Theory


Jogo da desenvolvedora de ‘Hellblade’ usará pesquisa e relatos reais para ‘recriar os horrores da mente’. ‘Project: Mara’ ganha teaser; assista
A Ninja Theory, desenvolvedora de jogos como “Hellblade: Senua’s Sacrifice”, anunciou nesta quarta-feira (22) que está trabalhando no novo game “Project: Mara”, um “título experimental que explora novas formas de contar histórias”. Assista ao teaser acima.
Segundo a empresa, o projeto é uma “representação fundamentada e realista do terror mental, baseado em relatos vividos reais e pesquisa aprofundada com o objetivo de recriar os horrores da mente tão precisamente e realisticamente quanto possível”.
Ainda não há previsão de lançamento, mas como a desenvolvedora faz parte dos estúdios do Xbox, o game deve ser lançado para o console da Microsoft e para computadores.
Atualmente, a Ninja Theory trabalha em “Senua’s Saga: Hellblade 2”, o primeiro exclusivo da próxima geração do Xbox.
Cena do teaser de ‘Project: Mara’
Divulgação

Fonte: G1

Para lidar com coronavírus, chineses ficam em casa e assistem a filmes sobre vírus


Filmes e jogos sobre doenças estão entre os mais populares na China nesta semana. Pessoas estão deixando de viajar e ir ao cinema com medo de contaminação. Passageiros usam máscaras para evitar a contaminação pelo coronavírus em estação ferroviária de alta velocidade, em Hong Kong, nesta quarta-feira (22)
Kin Cheung/AP
Ameaçados por um novo surto viral, muitos chineses estão recorrendo a um jogo de simulação online e a um drama chamado “A Gripe” para buscar mecanismos de defesa.
O coronavírus já matou 17 pessoas e infectou mais de 400 em um surto originário da cidade central de Wuhan, que vem espalhando globalmente o medo de contágio e agitando os mercados financeiros.
O “Plague Inc.”, aplicativo desenvolvido pela britânica Ndemic Creations, é nesta quarta-feira (22) o jogo pago mais popular entre usuários do sistema iOS na Apple Store chinesa. O jogo permite que usuários criem e evoluam uma doença para destruir o mundo.
Veja perguntas e respostas sobre o vírus e a doença pulmonar
“A melhor forma de dominar o medo é confrontar o medo”, disse um comentário na rede social Weibo.
Também nesta quarta-feira (20), o drama sul-coreano “A Gripe” é o filme mais buscado no site Douban, uma rede social chinesa que permite aos usuários registrar informações e criar conteúdos relacionados ao mundo do entretenimento.
Um documentário sobre o surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) de 2003 liderava as buscas na TV.
Além disso, 11 das 14 principais publicações na plataforma Toutiao eram relacionados a pneumonia, assim como mais da metade dos 50 tópicos mais lidos no Weibo.
China confirma nove mortes provocadas pelo coronavírus; já são 440 casos
O surto do coronavírus coincide com as festas chinesas do Ano Novo Lunar no fim de semana, quando milhões de pessoas voltam para casa ou viajam para fora da China.
Mas a bonança habitual das indústrias de turismo e consumo pode ser afetada, já que algumas pessoas cancelaram viagens e estão evitando áreas públicas como cinemas e shoppings.   Sucessos de bilheteria previstos para estrear no feriado viram a venda de ingressos diminuir. Em Wuhan, os espectadores que pagaram antecipadamente receberam reembolso, de acordo com as plataformas de reserva de ingressos Maoyan e Taopiaopiao.
“É compreensível que o vírus possa impedir as pessoas de ir aos cinemas”, lamentou uma gerente de cinema de Pequim, que pediu para não ser identificado. Ela incentivou a ida das pessoas, mas reforçou a necessidade de tomar medidas preventivas, como usar máscaras.
Initial plugin text

Fonte: G1

Regina Duarte almoça com Bolsonaro no Palácio do Planalto

Assista o Video

A atriz Regina Duarte chegou a Brasília no início da tarde desta quarta-feira (22) e foi para o Palácio do Planalto, onde foi recebida pelo presidente Jair Bolsonaro em um almoço.

Convidada pelo presidente para assumir a Secretaria Especial da Cultura, ela ainda não confirmou se entrará para o governo.

Ao desembarcar no aeroporto de Brasília, a atriz foi indagada sobre o convite do presidente. Como no início da semana, Regina Duarte disse que ainda está “noivando”.

“Vou continuar conversando. Noivando, noivando”, respondeu.

Questionada sobre o que falta para se casar com o governo, a atriz disse: “Aí essa pergunta é complicada.”

Após o encontro, o presidente Bolsonaro publicou, em uma rede social, foto em que aparece abraçado com Regina Duarte. Na legenda, escreveu: “O noivado continua…”. Bolsonaro também não indicou se o convite foi aceito oficialmente pela atriz.

Ela também participou de reunião com os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Jorge Oliveira (Secretaria Geral) e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), ao qual a Secretaria de Cultura está atualmente subordinada.

O presidente convidou Regina Duarte para o cargo no fim da semana passada, quando o então secretário da Cultura, Roberto Alvim, foi demitido. Alvim caiu após ter publicado um vídeo nas redes sociais em que fez um discurso com frases usadas por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do governo nazista de Adolf Hitler.

Na segunda-feira (20), a atriz teve uma conversa com Bolsonaro no Rio de Janeiro. Foi quando disse que estava “noivando” com o governo. Na reunião, ficou acertado que a atriz iria a Brasília conhecer a secretaria e fazer uma espécie de teste no cargo.

A Secretaria Especial da Cultura herdou as atividades do antigo Ministério da Cultura, extinto por Bolsonaro no início do mandato do presidente, no ano passado.

Regina Duarte também foi questionada no desembarque se a pasta voltará a ter status de ministério numa eventual gestão dela. “Não sei e não acho que isso é importante agora”, respondeu a atriz.

‘Parasita’: por que o filme sul-coreano está fazendo história em Hollywood


No próximo dia 09 de fevereiro, o longa vai concorrer ao Oscar em seis categorias, incluindo melhor filme. Filme ‘Parasita’ abre a programação que ocorre até quarta-feira (15) no CIC
Divulgação
O texto abaixo contém detalhes da trama.
“Estou um pouco envergonhado de sentir que somos os parasitas de Hollywood agora!”
Com esta declaração, o ator sul-coreano Lee Sun-kyun, estrela do filme Parasita, arrancou risos no domingo (19) durante a cerimônia de premiação do SAG Awards, entregue pelo Sindicato dos Atores dos EUA.
O longa fez história ao se tornar o primeiro filme de língua estrangeira a vencer a principal categoria da noite — Melhor Elenco de Filme.
Elenco do filme “Parasita” celebra prêmio no SAG Awards
Jean-Baptiste Lacroix / AFP
O filme sul-coreano de humor ácido, que em alguns momentos flerta com o terror, tem conseguido um sucesso sem precedentes nas cerimônias de premiação de Hollywood.
No SAG Awards, o elenco de Parasita sobressaiu entre outros grupos de atores já consolidados na indústria cinematográfica, que participaram de filmes como O Irlandês, Era Uma Vez em… Hollywood e O Escândalo.
No Globo de Ouro, a produção sul-coreana ganhou a estatueta de melhor filme estrangeiro e foi indicada em duas outras categorias.
No dia 09 de fevereiro, vai concorrer ao Oscar em seis categorias, incluindo melhor filme.
Mas a que se deve o grande sucesso do filme nas premiações americanas?
A história
“Que tipo de filme é esse?”, perguntou o crítico Anthony Lane, da revista The New Yorker, quando escreveu sua resenha sobre o longa. E não foi o único a se fazer essa pergunta.
A premissa é simples. Os caminhos de duas família se cruzam — uma é muito rica e a outra muito pobre. As interações entre elas revelam as diferenças sociais e expõem problemas de classe.
Mas Parasita é um enredo coerente que combina sangue e humor, ternura e devastação em pouco mais de duas horas.
“Com frequência, as pessoas me dizem que a história é muito estranha no melhor sentido possível”, disse recentemente o diretor Bong Joon-ho em uma exibição do filme em Hollywood.
“Acho que as pessoas gostaram do quão absurda é a história, dizem que é muito difícil de prever”, acrescentou.
De fato, se a princípio parece que se trata apenas da história de um jovem proveniente de uma família desempregada (que vive em um porão) e chega à casa luxuosa de uma família rica para dar aulas de inglês, a trama se complica (e muito).
Trailer de ‘Parasita’
O jovem acaba inventando maneiras de os novos chefes empregarem o resto da sua família, sem saber que são seus parentes.
E uma noite eles fazem uma descoberta macabra no porão da mansão.
Apesar do universo absurdo em que a história entra, as reflexões sobre a pobreza e a riqueza adquirem um tom universal.
Um exemplo é a sequência do filme em que chuvas fortes provocam inundações que, para a família pobre, implicam na destruição de sua casa, enquanto para a outra representam apenas a interrupção de um acampamento.
“Em qualquer sociedade, há pessoas que têm e pessoas que não têm bens materiais, e esses grupos coexistem”, disse o ator Song Kang-ho a jornalistas na noite de premiação do SAG Awards.
Quando perguntaram recentemente a Bong Joon-ho por que ele acreditava que seu filme ressoava em todo o mundo, ele respondeu que “todos os personagens vivem em uma área cinzenta. A família pobre comete erros, mas é adorável, ​​e a família (rica) é mesquinha, mas amigável ao mesmo tempo. Não há vilões”.
Sucesso de crítica e bilheteria
Quando estreou no festival de cinema de Cannes em maio do ano passado, os críticos aclamaram o filme como favorito para ganhar a Palma de Ouro, principal prêmio do evento.
A partir dali, o filme ganhou um destaque intenso, arrecadando quase US$ 140 milhões em bilheteria no mundo todo e permanecendo por 18 semanas consecutivas em cartaz em Los Angeles.
Joon-ho já contava com uma célebre trajetória cinematográfica, sendo considerado um dos melhores cineastas do século 21, de acordo com o site especializado Metacritic.
Park So-dam e Choi Woo-sik em cena de ‘Parasita’
Divulgação
Parasita ganhou ainda elogios da imprensa, que classificou o filme como “elegante e robusto”.
E não foram apenas os críticos que enalteceram o longa, mas também cineastas premiados, como o mexicano Guillermo del Toro.
“Eu amo e admiro Bong Joon-ho desde Memórias de um Assassino (2003), ele me surpreende, me deleita e me emociona sempre. Então, dizer que este é o melhor filme dele significa muito para mim. E é. Um filme cheio de tristeza, inteligência e profundidade. Irreverente, mas sensível. Impressionante”, escreveu em sua conta no Twitter.
Em quase 20 anos de carreira, o cineasta sul-coreano explorou principalmente dois gêneros de filmes: ficção científica e policial, com um toque esporádico de humor, indica o site Metacritic.

Fonte: G1

Novo titular da Cultura decidirá sobre futuro do edital anunciado por Alvim, diz secretaria

Ex-secretário, que anunciou edital sobre prêmio na área de cultura, foi demitido após usar frases semelhantes às de ministro da Alemanha nazista. Edital não foi publicado. A Secretaria Especial da Cultura informou nesta quarta-feira (22) que caberá ao próximo titular do órgão reavaliar a continuidade do Prêmio Nacional das Artes.
Em discurso para divulgar o prêmio nas redes sociais na semana passada, o então chefe da secretaria, Roberto Alvim, usou frases semelhante ao do ministro de Adolf Hitler da Propaganda da Alemanha Nazista, Joseph Goebbels, antissemita radical e um dos idealizadores do nazismo. O episódio levou à demissão do secretário.
No discurso, Alvim prometeu patrocinar produções inéditas em diferentes áreas da cultura, como óperas, contos, espetáculos teatrais, pintura e escultura. O valor total do prêmio, segundo o governo federal, é de R$ 20,625 milhões.
Em nota divulgada nesta quarta, a secretaria afirmou que o edital com as regras para a entrega do prêmio não foi publicado.
“A Secretaria Especial da Cultura informa que o edital do Prêmio Nacional das Artes não chegou a ser publicado no Diário Oficial da União. Caberá ao novo secretário reavaliar a continuidade do Prêmio”, diz a nota da secretaria.
Convidada para assumir a vaga de Alvim, a atriz Regina Duarte visitará Brasília nesta quarta. Ela ainda não aceitou formalmente o convite do presidente Jair Bolsonaro.
Regina Duarte vai a Brasília para conhecer estrutura da Secretaria Especial de Cultura
Discurso para lançar prêmio de artes
A declaração de Alvim foi dada em vídeo postado na página da Secretaria Especial de Cultura no YouTube nesta quinta-feira (16) para divulgar um concurso nacional de artes. O vídeo ganhou grande repercussão nas redes sociais e tanto o nome do secretário Alvim quanto o de Goebbels foram parar entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil.
O vídeo, em que Alvim aparece sentado a uma mesa de gabinete com uma imagem de Bolsonaro e uma bandeira do Brasil, tem como música de fundo a obra Lohengrin, de Richard Wagner (1813-1883). O artista é um maestro e compositor alemão que escreveu ensaios nacionalistas e antissemitas, e foi tomado pelos nazistas como exemplo de superioridade musical e intelecto.
O discurso de Goebbels consta do livro “Joseph Goebbels: Uma biografia”, do historiador alemão Peter Longerich.
Compare os discursos:
Roberto Alvim
“A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo – ou então não será nada.”
Joseph Goebbels
“A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada.”
Vídeo de Roberto Alvim fez referência a discurso nazista

Fonte: G1

Salma Hayek produzirá série sobre Eva Perón


Atriz uruguaia Natalia Oreiro será responsável por interpretar a mítica ex-primeira dama argentina no projeto intitulado ‘Santa Evita’. Salma Hayek posa no tapete vermelho do Globo de Ouro 2020
Jordan Strauss/AP
A atriz mexicana Salma Hayek irá produzir a série “Santa Evita”, baseada no bem-sucedido livro homônimo do escritor Tomás Eloy Martínez, do qual a principal personagem é a mítica ex-primeira dama argentina Eva Perón, uma figura reconhecida internacionalmente por sua luta pelos mais desfavorecidos.
A série de ficção, que chegará na América Latina em 2021, será protagonizada pela atriz uruguaia Natalia Oreiro, que interpretará Eva Perón, e pelos argentinos Ernesto Alterio, no papel do Moori Koenig, e Darío Grandinetti no papel do ex-presidente Juan Domingo Perón.
O ator Diego Velázquez interpretará “El Periodista” e o espanhol Francesc Orella, da série “Merlí”, será o doutor Pedro Ara, que foi encarregado de embalsamar o corpo de Evita.
Argentinos pedem beatificação de Evita Perón
“Santa Evita” seguirá a intrigante história de Eva Perón depois de sua morte por câncer aos 33 anos de idade em 1952. Seu corpo foi velado por milhões de pessoas até que em 1955 a ditadura militar que destituiu Perón do poder sequestrou seus corpo embalsamado para que não se convertesse em objeto de culto.
Como esposa do general Perón, Evita tinha se transformado em uma figura influente na Argentina e seu cadáver, que sofreu agressões e passou por um périplo entre Buenos Aires e o norte da Itália, marcou a política do país por décadas.
A série será dirigida pelo colombiano Rodrigo García, filho do escritor Gabriel García Márquez, junto do diretor e roteirista argentino Alejandro Maci, enquanto a adaptação ficará a cargo das autoras e atrizes argentinas Marcela Guerty e Pamela Rementería.

Fonte: G1

Jean Paul Gaultier dá adeus às passarelas em desfile com show ao vivo e pede reciclagem de roupas


Em nota distribuída entre o público, estilista disse que ‘a moda tem que mudar. Há muitas roupas, roupas que não servem para nada. Não joguem fora’. Jean Paul Gaultier em seu desfile de despedida durante a Semana da Moda de Alta Costura
AP/Francois Mori
Após meio século marcado por uma criatividade extravagante e um espírito transgressor no mundo da moda, o estilista francês Jean Paul Gaultier se despediu das passarelas nesta quarta-feira (22), cercado por suas musas, como Rossy de Palma e Mylene Farmer.
Gaultier antecipou que o desfile seria uma grande festa com “muitos amigos”, e não decepcionou. No elegante teatro musical de Châtelet, com orquestra e cantores ao vivo, o antes “enfant terrible” da moda apresentou mais de 200 looks em um ambiente de euforia, com modelos sorridentes e exageradas, além de um público que aplaudiu com entusiasmo por mais de uma hora.
O estilista, de 67 anos, anunciou na última sexta-feira, de surpresa, que esse seria seu último desfile, mas garantiu que sua marca, propriedade do grupo espanhol Puig, continuaria com um projeto que seria anunciado brevemente e do qual é um “instigador”.
“A moda tem que mudar”
“Acredito que a moda tem que mudar. Há muitas roupas, roupas que não servem para nada. Não joguem fora, reciclem”, diz Gaultier em nota distribuída entre o público, explicando pelo menos de forma parcial sua decisão de colocar ponto final em seus desfiles.
“Essa noite, verão minha primeira coleção de alta costura “upcycling”; abri as gavetas”, disse citando a técnica que consiste em utilizar peças antigas e dar nova vida à elas.
Antes de Rossy de Palma, Mylene Farmer e as irmãs Bella e Gigi Hadid desembarcarem na passarela usando as últimas criações com base de jeans, cintos de couro, seda e tule, o desfile começou com a representação de um funeral, com modelos em looks pretos totalmente estáticas.
Com trilha sonora de Boy George, um caixão entrou no cenário com dois seios cônicos presos na tampa. Uma coroa de flores dizia “Moda para sempre”.
No final do desfile, subiu um telão para mostrar os bastidores e Gaultier com um macacão azul de trabalho, cercado por seus colaboradores, que acabaram levando-o nos ombros e enchendo-o de beijos.
O desfile aconteceu durante a Semana da Moda de Alta Costura, que ocorre entre um seleto clube ao qual Gaultier pertence desde 2001 junto a outras 15 marcas, como Dior e Chanel.
Jean Paul Gaultier em seu desfile de despedida durante a Semana da Moda de Alta Costura
AP/Francois Mori
“Inconformista”
Subversivo e livre, Gaultier é um dos estilistas mais importantes de todos os tempos, e desafiou a tradição da beleza tradicional incluindo todas as orientações sexuais em seus desfiles, muito antes dos demais. Também foi precursor na fusão de gêneros na passarela.
Nos anos 1980, revolucionou a moda com suas criações geniais, como o corpete cônico usado por Madonna, a saia masculina e a camiseta listrada de marinheiro, uma reinterpretação em homenagem à sua avó, que o “vestia de azul”.
Gaultier fez seus desfiles longe do tradicional formato rígido da passarela, montou verdadeiros espetáculos cheios de excentricidade e ousadia, mais próximos de um cabaré.
“Estilista inconformista busca modelos atípicas. Rostos disformes são aceitos”, dizia um anúncio que publicou nos jornais nos anos 1980.
Convidou para a passarela homens mais velhos, mulheres com sobrepeso e em 2014 colocou em sua passarela a drag queen Conchita Wurst.
Documento: Maria Prata entrevista Jean-Paul Gaultier
Criou também figurinos para filmes como “Má educação” e “Kika”, de Pedro Almodóvar, “O Quinto Elemento” de Luc Besson, e colaborou com seus desenhos coloridos no carnaval do Rio e no Dia dos Mortos do México.
Muitos o consideram referência histórica, como o estilista espanhol Alejandro Gómez Palomo, cuja marca Palomo Spain desfila com sucesso em Paris há dois anos.
Todos belos!
“Jean Paul Gaultier tinha 17 anos quando começou a trabalhar comigo, acreditava nele e continuo acreditando nele. É o único a quem apoiei”, lembrou recentemente seu mentor Pierre Cardin em uma entrevista à AFP.
Em 2018, declarou que “todo mundo é belo” em seu espetáculo autobiográfico “Fashion Freak show” em Paris. Seu sucesso lhe deu asas para voar além das semanas de moda, segundo especialistas.
“Há muitos anos que ouvíamos falar de Gaultier, tenho que tomar uma decisão, o momento chegará. O espetáculo lhe deu perspectivas de futuro”, segundo o historiador de moda Olivier Saillard.
“Era muito bonito ver o público rir, chorar, se sentir em comunhão com ele. É mais alegre que um desfile de moda que dura 11 minutos, com as pessoas fazendo fotos com seus smartphones e apenas aplaudindo”, acrescenta em entrevista à AFP.
Para esse especialista, Gaultier continuará “construindo aparências, mas de outra maneira”.

Fonte: G1

Posts

Parceria:
Blogging Fusion Blog Directory